Procurem a verdade, procurem o Código

E mais um tópico sobre o filme... ou o que anda à volta do filme "O código de Da Vinci" de Ron Howard. Será certamente um dos filmes do ano em Portugal, com estreia em 85 salas, o que segundo a Columbia, só foi batido pelos filmes (entre os por si distribuídos, claro) "Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban", que lidera, com 114 cópias, e "Harry Potter e a Câmara dos Segredos", o segundo da lista, com 109.
É claro que irá ser um filme muito requisitado nas bibliotecas, esperando que seja bem aproveitado em termos escolares pelo que não deixará de ser apresentado junto a outros documentários sobre a obra, bem como promoção da literatura da área. Em termos de espectadores não criará muitas dificuldades, já que em Portugal é um filme para Maiores de 12 anos apesar do tema controverso ter levado alguns países a atribuir uma classificação para Maiores de 18 anos (no extremo oriente andam muito católicos, mas a Irlanda, Noruega e Finlândia com um M15 não ficam muito atrás).
Um aviso para futuros catalogadores, Tom Hanks (o actor principal) não aparece na ficha técnica do poster do filme (é tipo cálice no quadro da última ceia de Leonardo!) mas como a ordem de recolha de dados em DVD é primeiro o ecrã de execução do disco depois a etiqueta do disco e só depois a capa do invólucro, não deverão ser necessários os famosos parêntesis rectos. E claro não deixem de indicar a música de Hans Zimmerman, um dos gigantes na área das bandas sonoras (ou melhor "score"): quem ainda não ouviu pode dar uma espreitadela aqui http://www.classics.umusic.com/dvc/.
Outro aspecto sobre o filme envolve os locais de filmagens, já que não foi autorizada a rodagem na Abadia de Westminster (substituída pela Catedral de Lincoln igualmente em Inglaterra), nem na Igreja de Saint-Suplice, o que obrigou à criação digital destes cenários. Esperemos que os responsáveis por estes locais, para serem coerentes, não cobrem visitas guiadas e rejeitem qualquer pagamento efectuado pelos visitantes que aí vão apenas por causa do filme e do livro! Em contrapartida o Louvre preferiu aparecer em versão real, embora a Mona Lisa seja uma cópia por causa dos projectores, já que as filmagens foram feitas durante a noite!
E a igreja vive mesmo mal com a promoção "porque os católicos têm insuficiente informação", dizia Pedro Gil porta-voz da Opus dei em Portugal).
Assim a Opus Dei meteu mãos à obra e o seu site... é só Código da Vinci ! Oh meus amigos, não havia necessidade! É que o problema da falta de informação não se combate em guerra aberta, especialmente se o outro lado é apelativo. É necessário uma campanha pela positiva, afirmando e não confrontando. E que tal a igreja começar a instruir os seus crentes, abdicando de algumas ocultações (não, não estou a falar da Maria Madalena!) e surgir aos olhos dos seus crentes com a sua face de instituição humana? Claro que a pergunta é retórica pois o que seria de uma instituição desta ordem de grandeza sem códigos secretos ou sem sorrisos enigmáticos?! Note-se que até os arquivos da Santa Sé têm o nome de Arquivos secretos!
Em todo o caso, e porque é raro em clareza e qualidade, vale a pena ler 54 Perguntas sobre Jesus Cristo e a Igreja .