Avançar para o conteúdo principal

O castelo da cultura


Lisboa vai ter uma nova Biblioteca Central e um novo Arquivo Municipal. A notícia já de si seria um destaque, mas o mais interessante na notícia é o facto de essa futura biblioteca (a estar pronta em 2009) ser o ponto de partida para uma nova urbanização. Esta é pelo menos a ideia da Empresa Pública de Urbanismo de Lisboa (EPUL) para o Vale de Santo António, um plano de urbanização para uma zona de 44 hectares e que tem uma biblioteca como pedra basilar.
A Biblioteca e Arquivo Municipal é um projecto do arquitecto Manuel Aires Mateus, sendo o plano de urbanização coordenado pelo arquitecto Manuel Fernandes de Sá que considera ser a biblioteca "uma cara forte do projecto, um objecto de fundação", à semelhança dos "castelos ou mosteiros de antigamente" e que condicionou o restante plano.
A biblioteca projectada tem um orçamento de cerca de 40 milhões de euros e tem a sua primeira fase já em obra. O edifício terá 60 metros de altura, 40 de largura, com uma arquitectura que privilegia a vista para o Tejo e a luz e apresentará 100 000 documentos em acesso livre com salas de leitura viradas ao Tejo. É uma nova centralidade da cidade, numa urbanização que inclui 390 mil metros quadrados de construção, espaços verdes com um parque de 60 mil metros quadrados e um estádio de futebol com 4 mil lugares. Agora faltam os planos finais.
No plano teórico, surge-nos a questão: que lugar para as bibliotecas na cidade? Grandes projectos em zonas novas e acessíveis, projectos de reabilitação urbana em zonas antigas e sem acessos, pequenas bibliotecas mais próximas dos leitores?
Neste caso trata-se de uma grande biblioteca numa grande urbanização, mas a ideia não deve deixar os promotores imobiliários indiferentes. Num futuro que se espera não muito distante, os grandes projectos de intervenção citadinos, as grandes urbanizações, deverão encarar as bibliotecas como espaços equivalentes a centros de dia, creches, ou jardins. Claro que isso implica um novo conceito de biblioteca de proximidade, um pólo de cultura ao estilo do conceito Inglês das IdeaStores, uma biblioteca de leitores e não de bibliotecários. E não será pura perda de dinheiro. Garanto que os vendedores dos imóveis no vale de Santo António vão colocar a palavra "biblioteca" no meio de qualquer frase que elogie a localização da futura habitação. Uma biblioteca será sempre um argumento forte na justificação do preço dos apartamentos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

Porque amo a minha biblioteca escolar?

"Why I Love My School Library" é o tema do MIBE - Mês Internacional das Bibliotecas Escolares que se comemora em Outubro de 2018.
Um tema que, segundo a IASL, se enquadra no objetivo deste ano de análise aos impactos da biblioteca escolar.
Porque amo a minha biblioteca escolar? Outubro será um bom momento para pensar nas nossas bibliotecas e nos nossos utilizadores. Porque é que gostamos das bibliotecas escolares? E o que não gostamos nelas?  Duas perguntas importantes e a fazer desde já. Todas as respostas serão motivos para estratégias de melhoria a realizar ao longo do ano letivo que agora se inicia.


Infos: IASL - https://iasl-online.wildapricot.org/advocacy/islm/index.html

DigCompEdu Competência Digital para Educadores

Foi lançado, em português, o Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores - DigCompEdu, um documento destinado docentes, da Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário, Ensino Superior e Educação de Adultos, incluindo formação geral e profissional, educação especial e contextos de aprendizagem não formal.

Nele são apresentadas 22 competências, organizadas em 6 áreas, e um modelo de progressão para ajudar os docentes a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital.
Este referencial, criado no âmbito da iniciativa DigComp da Comissão Europeia, pretende ajudar os estados membros na promoção das competências digitais dos seus cidadãos e impulsionar a inovação na educação.

Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores Responde à consciencialização crescente entre muitos estados membros europeus que os educadores precisam de um conjunto de competências digitais específicas para a sua profissão de modo a serem capazes de aproveitar o potencial das tecnologias digitais …