Avançar para o conteúdo principal

Que parte do Sssshhhhhiu é que não entendem?

Uma questão que tem vindo a correr nos blogues de alguns técnicos de bibliotecas prende-se com a existência de jovens nas bibliotecas sem qualquer interesse em estarem lá. As bibliotecas têm vindo a ser transformadas, pelos pais, em centros de acolhimento de jovens, um local considerado seguro para os deixar enquanto vão às compras ou para aguardarem, depois das aulas, que os pais os possam levar para casa.
Afinal de contas é um local ideial para o efeito: as bibliotecas possuem recursos pedagogicamente interessantes, são ambientes agradáveis e controlados, têm adultos a vigiarem os espaços e muitas vezes segurança acrescida: diminui assim o medo de terem os filhos a andarem pelas ruas depois das aulas. Os bibliotecários até os gostam de ter por lá, tornam as bibliotecas mais vivas e alegres e permitem trabalhar hábitos de leitura.
O problema está quando esses mesmos jovens não apreciam tudo o que têm ao seu dispor. O espaço de cultura começou por se transformar num espaço de recreio e rapidamente acabou num espaço de confronto. Confusões entre grupos, falta de higiene, destruição de recursos e espaços, desrespeito para com os trabalhadores da biblioteca e para com os outros utilizadores, criaram situações de choque entre os utilizadores da biblioteca.
O mesmo já aconteceu com crianças (e para não se dizer que isso são coisas dos EUA veja-se este artigo do
Brunei onde crianças com dois anos são deixadas pelos pais na biblioteca, sendo depois os bibliotecários que os têm de levar à casa de banho, medicar ou alimentar).
Os protestos dos bibliotecários perante as hierarquias caíram em saco roto, sendo que os pais inverteram o problema reclamando sobre a falta de acompanhamento adequado às crianças e da má vontade ou falta de sensibilidade dos bibliotecários para com as necessidades dos jovens. Afinal coisas já ouvidas pelos profissionais das escolas: os pais e a educação dos filhos nunca entram nas equações!
E apesar dos bibliotecários não terem sido contratados para serem amas-secas de jovens grandes demais para obedecerem a figuras de autoridade, acabaram por criar estratégias alternativas para ocupação de tempos livres desses jovens. Mas a situação não melhorou e as bibliotecas começaram a reagir: a presença de jovens sem acompanhamento de adultos deixou de ser bem vinda.

Numa ida à biblioteca pública de Lepe em Espanha encontrei um aviso, que está na foto deste artigo, na sala especial para jovens: "La biblioteca no es una guardería". De realçar que e a sala de jovens estava muito bem elaborada, com muitos documentos nas estantes, decorações e exposição de trabalhos de miúdos expostos pelas paredes. Na altura fiquei a pensar que o aviso não estava ali por piada.
Agora, num artigo do jornal
New York Times, a questão do comportamento adolescente nas bibliotecas públicas vem em letra de imprensa, a partir de um caso ocorrido na biblioteca pública de Maplewood, N.J., EUA, que tem tido inúmeros problemas de comportamento com jovens nomeadamente questões de higiene e de obediência a regras.
Os problemas em Maplewood têm sido uma constante nos últimos anos e ocorrem quando os jovens, depois de terminarem as aulas, ficam na biblioteca à espera que os pais os venham buscar. Chamar a polícia para resolver os problemas tornou-se uma rotina diária mas agora a solução assumiu uma forma radical: fechar as portas à tarde, por altura do final das aulas. Os utilizadores adultos é que acabam por ser igualmente afectados e não tem deixado de protestar: veja os comentários dos residentes. A municipalidade interviu e suspendou a ordem.
Soluções como esta ainda não começaram a ser tão usuais nas bibliotecas dos EUA, mas vão existindo por todo o lado estratégias de defesa das bibliotecas. É a velha questão: "What part of “Shh!” don’t you understand?".
A consciência dos pais é fundamental, e uma das mães no artigo do NYT afirma de que depois de ter visto os problemas no local, se tornou numa “shush mommy” ou uma “mãe que manda calar”.
Para os jovens é um problema acrescido pois não podem utilizar a biblioteca, especialmente depois de terminarem as aulas (2 ou 3 da tarde), e não têm para onde ir: não os querem na escola, não os querem na biblioteca e não os querem em casa. O que fazem?
Pelo menos em Portugal, e especialmente ao fim de semana, os pais sempre os levam para os centros comerciais!

Comentários

Rosa Silvestre disse…
Meu Deus ao que se chegou!Efectivamente actualmente alguns pais levam os meninos para os centros comerciais, enquanto outros não os querem nem em casa e eles vão para os centros comerciais e outros locais exercitarem a sua imaginação...o que, muitas vezes, leva a desacatos!
Paulo Izidoro disse…
Não tinha lido mas descobri agora que o bibliotecário anarquista já tinha comentado a mesma notícia:
http://bibliotecarioanarquista.blogspot.com/2007/01/riot-na-biblioteca.html
Anónimo disse…
Por principio concordo com a existencia de crianças nas Bibliotecas... o que me parece óbvio! Se nas escolas é reflectida toda uma sociedade o mesmo também acontecerá nas bibliotecas! Os bibliotecários não sendo amas secas são prestadores de serviços! Eles não se adaptaram à internet, aos DVD, etc.? Têm de se adaptar a essa nova realidade e construir estratégias de acolhimento dessas crianças (sim, porque estamos a falar de crianças!!!!). Ex: tos os dias unm dos pais está na biblioteca a cuidar de todos, vão se revezando. O gás pimenta é outra solução...
Alexandra disse…
É verdade. Acontece na Biblioteca onde eu trabalho, e já não é a primeira vez que vou comprar alimento para as crianças ou que as levo a casa quando a biblioteca encerra. O pior é que nós dizemos que não nos responsabilizamos, mas se acontecer alguma coisa é impossível fecharmos os olhos, e preocupamo-nos na mesma.
rascunhos disse…
pelos vistos a situação que descreve é mais vulgar do que se poderia pensar.

o que se lamenta sobretudo é quando os pais e as mães ainda vêm tirar satisfações sobre alguma chamada de atenção, que teve que ser feita ao filho(a)(devido ao seu comportamento menos adequado) acabando por o (a) desresponsabilizar...

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

Se conduzir... não leia!

Se conduzir não leia... mesmo que seja James Patterson!

O condutor de 53 anos dá uma desculpa, de arrepiar, sobre a sua condução errática: estava a ler o último thriller de James Patterson.
Foi multado por não conduzir com o devido cuidado (EUA, Minnesota).

Se conduzir não leia!


YouTube - https://youtu.be/THSDhl07Vt0

Saiba mais sobre James Patterson.

Original em TODAY.com (22/01/2016) - Distracted driver's excuse to cop: I was reading James Patterson

Elsa Conde e Teresa Calçada no PNL2017

A implementação e monitorização do Plano Nacional de Leitura até 2027 ficará sob responsabilidade de uma comissão que inclui os Ministérios da Educação, Cultura e Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.
A comissão interministerial a ser presidida por Teresa Calçada e Elsa Maria Conde estará dependente do Ministério da Educação, em articulação com as tutelas da Cultura e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Objetivo: "Fazer uma aposta abrangente na leitura, seja a literária, científica, em papel ou noutros suportes" (Teresa Calçada).

O PNL quer agora “levar a leitura a outras esferas da sociedade”, mostrando que esta “não é apenas património de alguns” e promovendo hábitos de leitura ao longo da vida: junto de famílias, crianças, jovens e adultos. E, sem descurar o papel das bibliotecas escolares, pretende-se criar condições para a promover nas instituições de ensino superior e da rede de centros de Ciência Viva.

“Em todos os locais onde seja possível dizer 'ler é bom…