Avançar para o conteúdo principal

Leitores e mediadores: direitos e proibições


Nesta Semana da Leitura 2007 vim buscar a Daniel Pennac os célebres direitos do leitor, mas igualmente as proibições aos professores envolvidos na dinamização da leitura:
«O que afasta uma criança ou um adolescente da leitura de um livro, não é só a televisão, o mundo fascinante dos jogos de vídeo, dos computadores, das compras, dos lanches no Mac Donald’s...
O que afasta um leitor dos livros é quando o livro deixa de ser vivo - quando se perde a narração feita ao pé da cama, na hora de dormir, na infância e se passa à obrigação da “ficha de leitura”, obrigatória para o “bom cumprimento do programa escolar”.
Ler não é verbo que suporte o imperativo. Aversão que partilha com alguns outros verbos: o verbo amar, o verbo sonhar...
Bem é sempre possível tentar, é claro...vamos lá:
Ame!
Sonhe!
Leia!
Resultado? Nulo.
Uma só condição para se reconciliar com a leitura: não pedir nada em troca. Absolutamente nada.» (Pennac, Daniel, 1988. Como um Romance)
Proibições aos mediadores de leitura:
  • não erguer nenhuma muralha fortificada de conhecimentos preliminares em torno do livro.
  • não fazer a menor pergunta.
  • não mandar fazer qualquer TPC.
  • não acrescentar uma só palavra àquelas das páginas lidas.
  • não fazer julgamentos de valor.
  • não dar explicações de vocabulário.
  • não analisar o texto.
  • não dar nenhuma indicação bibliográfica...
  • proibir completamente o 'rodear o assunto'.
(Pennac, Daniel, 1988. Como um Romance)

O que é necessário no momento de leitura?
"Ler, e ter confiança nos olhos que se abrem, nas cabeças que se divertem, na pergunta que vai nascer e que vai puxar uma outra pergunta". (Pennac, D., 1988. Como um Romance)


Direitos do Leitor:
  • O direito de não ler
  • O direito de saltar páginas
  • O direito de não acabar um livro
  • O direito de reler
  • O direito de ler não importa o quê
  • O direito de amar os “heróis” dos romances ( doença textualmente transmissível ).
  • O direito de ler não importa onde
  • O direito de saltar de livro em livro
  • O direito de ler em voz alta
  • O direito de não falar do que se leu
(Pennac, Daniel, 1988. Como um Romance)

Ler na sala de aula:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

DigCompEdu Competência Digital para Educadores

Foi lançado, em português, o Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores - DigCompEdu, um documento destinado docentes, da Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário, Ensino Superior e Educação de Adultos, incluindo formação geral e profissional, educação especial e contextos de aprendizagem não formal.

Nele são apresentadas 22 competências, organizadas em 6 áreas, e um modelo de progressão para ajudar os docentes a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital.
Este referencial, criado no âmbito da iniciativa DigComp da Comissão Europeia, pretende ajudar os estados membros na promoção das competências digitais dos seus cidadãos e impulsionar a inovação na educação.

Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores Responde à consciencialização crescente entre muitos estados membros europeus que os educadores precisam de um conjunto de competências digitais específicas para a sua profissão de modo a serem capazes de aproveitar o potencial das tecnologias digitais …

Bibliotecas públicas: poucos empréstimos e pouco uso dos computadores

A organização "Public Libraries 2030", em conjunto com a Federação Internacional de Associações de Bibliotecas (IFLA), criou um conjunto de fichas sobre bibliotecas e competências, que mostra os principais dados estatísticos das bibliotecas relacionados com os dados do DESI (Digital Economy and Society Index) da UE.
Isto fornece uma mistura surpreendente de dados para utilização junto aos formuladores de políticas locais e europeias.


Portugal:

1 biblioteca pública por cada 22 833 habitantes. 1.7 milhões de empréstimos.Sem dados sobre empréstimo de ebooks. 93% das bibliotecas permite acesso à Internet a 100 mil adultos por ano.População com poucas competências digitais e competências não adequadas ao meio laboral



Só para comparar e ver como os números de portugal estão muito em baixo... veja-se Espanha:



Mais países em: https://publiclibraries2030.eu/resources/eu-library-factsheets/

"Public Libraries 2030" é uma organização sem fins lucrativos que nasceu do programa B…