Ranking escolas 2007 - Algarve

Sairam as tabelas e os rankings das escolas e teremos mais uns dias com opiniões sobre a sua utilidade, forma de execução, razões explicativas e desculpas, muito provavelmente semelhantes aos anos anteriores.
Acaba por ser uma questão de dogma de fé, e cada um vê aquilo que quer ver.
Eu por mim volto sempre ao mesmo: é um índice e não deve ser desvalorizado mas sim divulgado e realçado. Os resultados devem ser discutidos, comparados e ponderados.
Gosto sempre de comparar resultados relativos à escola onde trabalho:
  • com escolas semelhantes em termos de características (exames, dimensões, localizações, etc)
  • com escolas da região
  • com os próprios resultados em anos anteriores.
  • discrepância entre notas internas e notas de exame
Costumava reclamar por o Ministério da Educação não fornecer os dados em primeiro lugar às escolas e seus profissionais. Afinal os resultados são criados a partir de dados por nós produzidos nas avaliações de exames e somos os últimos a saber (não falo dos dados de cada escola, falo nos dados em bruto tal como os jornais os recebem).
Costumava... porque este ano a base de dados ficou disponível no endereço www.dgidc.min-edu.pt/jneweb/estat.htm (bases de dados em formato .mdb) onde encontramos os resultados da avaliação contínua e dos 38 exames de 11º e 12º ano efectuados nos 308 concelhos do país e no estrangeiro, nas 496 escolas públicas e 130 privadas.
Afinal era possível! Agora quem quiser pode fazer o tratamento estatístico pretendido sem receber os resultados filtrados pelos jornais.
Mas para não serem só elogios.. o tratamento oficial e público dos dados deve ser competência do Ministério da Educação, promovendo assim uma norma de tratamento estatístico passível de ser comparada. Depois então quem quiser olhar para os dados de forma diferente teria a sua oportunidade!

O jornal público está furioso com a revelação pública e contra o fim dos privilégios dos jornais ( http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1308501 ) sendo que só vai fazer sair o seu ranking a 2 de Novembro depois de fazer um tratamento adequado (8 dias!)
A zanga não era para menos, afinal o dia de saída dos rankings era um dia de grande tiragem (em alguns jornais chegava mesmo a ser a maior do ano). E as escolas pagavam para consultar dados produzidos por elas! Pior, não tinham acesso aos dados na sua totalidade, mas apenas a um tratamento parcial. Seria o mesmo que os dados das eleições não fossem do domínio público antes de alguém os apresentar e interpretar.
Já o público em geral encontrará no serviço dos meios de comunicação o seu valor natural e aí já não vejo nenhum problema em se pagar pelo serviço de tratamento de dados (desde que estes sejam públicos). Tudo o resto podia sempre ser interpretado como próximo de negócios, o que nunca fica bem a um sistema de ensino público.

Para curiosos e porque é a minha realidade, aqui fica a tabela do Algarve segundo o JN e a SIC (no final têm links para as tabelas originais):



Artigos de imprensa:
- Jornal de Notícias - Colégios privados de Lisboa e Porto dominam ranking: http://jn.sapo.pt/
- Correio da Manhã www.correiomanha.pt
- O Primeiro de Janeiro www.oprimeirodejaneiro.pt
- Sic: http://sic.sapo.pt/online/noticias/vida/20071023

As tabelas para download:
Actualização: Jornal Público - Tabela Ranking 2007 (inclui tabela provas do 3º ciclo)