Avançar para o conteúdo principal

Literatura para rapazes

Acha que os leitores não têm sexo? Acha que a literatura não tem sexo?
Já não pensa o mesmo de um filme pois não?
Pois olhe que os leitores e a literatura também têm sexo. E você pode andar a criar problemas aos leitores exactamente por ignorar esta questão!


Ouve-se muito dizer que os jovens não lêem (o que já está desactualizado conforme provam os estudos internacionais feitos depois de 2000) mas esquecemos ainda alguns problemas que são criados pelas próprias bibliotecas.
As raparigas são normalmente as melhores leitoras em quantidade, e a sua leitura de obras literárias tem determinadas preferências: o romance de ficção.
Como queremos dar aos nossos leitores o que eles mais gostam... compramos mais documentos nessa área. Por outro lado o género literário narrativa (ou romance ficção) tal como a poesia foram sempre mais valorizados na comunidade bibliotecária e docente (é a "literatura a sério") e é a mais lida por mulheres.
E quando compramos de acordo com os tops de vendas... se não é narrativa é literatura de situações de vida (a literatura light ou cor-de-rosa)... e mais uma vez a favorita do sexo feminino!
Depois ficam uns restos de colecção para a ficção científica, a fantasia, o terror, o policial, a novela gráfica ou as biografias e relato de eventos... por ironia...adivinhou: os géneros favoritos dos rapazes.
Como lêem pouco, compramos menos... e passados uns anos temos uma biblioteca totalmente descompensada.
Já alguém ouviu falar em gestão da colecção? Também é sobre isto!
É certo e sabido que na sua biblioteca estarão lá vários livros de Nicholas Sparks (um rapaz adolescente até poderia gostar de o ler mas só se lhe colocar uma capa falsa para que ninguém o identifique ao ler!!)... mas já autores como Stephan King dificilmente estarão presentes (é só e apenas o mestre do terror).

Um teste rápido: tente referir quem é o autor mais conhecido em cada um dos géneros que acabei de referir como sendo mais "masculinos"?!
Já saber quem são os reis da literatura Light (ou as rainhas) os reis dos dramas existenciais e paixões arrebatadoras, isso está na ponta da língua não é!? Se é o seu caso, interprete isso como um alerta para a sua biblioteca.

O bibliotecário não é um livreiro a fornecer ao público (a maioria) o que ele mais procura. Tem uma responsabilidade (tal como os editores) na orientação do seu público, nomeadamente conseguir alcançar as franjas do público, os interesses minoritários.
Por isso nas próximas compras defina uma verba para literatura para rapazes. Claro que eles não vão a correr à biblioteca, foram ignorados durante muito tempo, agora é preciso conquistá-los... e isso vai levar igualmente tempo.

  • Os editores já vão percebendo que o mercado está segmentado.
  • Os autores já escrevem para públicos específicos.
  • E as bibliotecas?
Um tema para reflexão, que está na moda nos últimos 15 anos: Hábitos de leitura em rapazes e raparigas
-------------------
Enquadramento:

-------------------------
O problema:
---------------
Leitura


LIVROS

Comentários

Anónimo disse…
a propósito disto, lembrei-me deste texto:

http://livrariapodoslivros.blogspot.com/2009/01/elas-que-comearam.html
Paulo Izidoro disse…
Gostei da pergunta: É para um menino ou uma menina?

A ler também um artigo anterior neste mesmo blogue:
O sexo dos leitores - http://bibliotequices.blogspot.com/2007/02/o-sexo-dos-leitores.html

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

Porque amo a minha biblioteca escolar?

"Why I Love My School Library" é o tema do MIBE - Mês Internacional das Bibliotecas Escolares que se comemora em Outubro de 2018.
Um tema que, segundo a IASL, se enquadra no objetivo deste ano de análise aos impactos da biblioteca escolar.
Porque amo a minha biblioteca escolar? Outubro será um bom momento para pensar nas nossas bibliotecas e nos nossos utilizadores. Porque é que gostamos das bibliotecas escolares? E o que não gostamos nelas?  Duas perguntas importantes e a fazer desde já. Todas as respostas serão motivos para estratégias de melhoria a realizar ao longo do ano letivo que agora se inicia.


Infos: IASL - https://iasl-online.wildapricot.org/advocacy/islm/index.html

DigCompEdu Competência Digital para Educadores

Foi lançado, em português, o Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores - DigCompEdu, um documento destinado docentes, da Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário, Ensino Superior e Educação de Adultos, incluindo formação geral e profissional, educação especial e contextos de aprendizagem não formal.

Nele são apresentadas 22 competências, organizadas em 6 áreas, e um modelo de progressão para ajudar os docentes a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital.
Este referencial, criado no âmbito da iniciativa DigComp da Comissão Europeia, pretende ajudar os estados membros na promoção das competências digitais dos seus cidadãos e impulsionar a inovação na educação.

Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores Responde à consciencialização crescente entre muitos estados membros europeus que os educadores precisam de um conjunto de competências digitais específicas para a sua profissão de modo a serem capazes de aproveitar o potencial das tecnologias digitais …