Avançar para o conteúdo principal

A internet em papel

Este conjunto de imagens que acompanham o artigo foi recentemente publicado pela Cartridge SAVE, uma empresa de tinteiros, alertando para a impossibilidade de tudo imprimir e de ser necessário um controlo de recursos.
Se é um tema em que muitos já pensaram, ver a questão em números é mais forte!
E claro que a questão da leitura em formato digital teria de aparecer no meio das questões.
Discutir a vantagem ou a preferência pelo livro sobre os meios digitais é um debate sem sentido no mundo actual. Pura e simplesmente não podemos continuar a imprimir informação. Os conteúdos caminham para a total digitalização porque de outra forma esgotamos os recursos naturais.
Aqui estamos a falar de recursos necessários para:
  • Imprimir uma cópia de toda a documentação produzida pelo ser humano
  • Imprimir exemplares em número adequado aos indivíduos que necessitam aceder a essas informações, seja em bibliotecas seja em consumo privado.
A sociedade no século XX evoluiu em diversas áreas, as pessoas foram alfabetizadas, as tecnologias ficaram mais complexas, a população cresceu. A consequência é termos de deixar de imprimir em papel. Falar em reciclagem de papel é apenas um disfarçar do problema.
É preciso notar que o Pergaminho foi abandonado por falta de matéria prima no momento em que a leitura individual passou a ser obrigação dos monges cristãos (para além das trocas comerciais com o Egipto terem ficado mais difíceis na altura). O papel foi a solução, primeiro a partir de tecidos velhos e depois a partir de pasta de celulose. Mas o fim da linha está aí.
A leitura em papel não demorará muito a ser considerado um luxo, depois um acto snob e mais tarde será certamente entendida como um crime ecológico.

A leitura e a pobreza caminham lado a lado e os recursos são finitos.
Felizmente a humanidade conseguiu evoluir tecnologicamente e começa a produzir os recursos digitais para manter a aposta na cultura e na educação.
Dizer que a experiência de ler em papel é muito mais agradável que ler num computador pesado e barulhento é dizer pouco! E porque não dizer que um dia o papel já foi escuro, pesado e pouco maleável? E que um dia os computadores nem podiam sair da sala especialmente criada para os alojar? E que o calendário tecnológico faz os dias passarem mais depressa?

A única coisa aborrecida disto tudo é pensar que o pergaminho é mais resistente que o papel e o papel mais durável que um CD-Rom. Assim vai ser necessário mais tecnologia, mas também mais normas de gestão dos documentos e mais pessoas para gerir esses documentos: esse é o preço a pagar por uma humanidade culta.
E não sejam mais snobs ainda dizendo que 90% do produzido online é lixo: esse é o preço a pagar pela liberdade cultural que se consegue pela liberdade de expressão e liberdade de criação.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

DigCompEdu Competência Digital para Educadores

Foi lançado, em português, o Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores - DigCompEdu, um documento destinado docentes, da Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário, Ensino Superior e Educação de Adultos, incluindo formação geral e profissional, educação especial e contextos de aprendizagem não formal.

Nele são apresentadas 22 competências, organizadas em 6 áreas, e um modelo de progressão para ajudar os docentes a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital.
Este referencial, criado no âmbito da iniciativa DigComp da Comissão Europeia, pretende ajudar os estados membros na promoção das competências digitais dos seus cidadãos e impulsionar a inovação na educação.

Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores Responde à consciencialização crescente entre muitos estados membros europeus que os educadores precisam de um conjunto de competências digitais específicas para a sua profissão de modo a serem capazes de aproveitar o potencial das tecnologias digitais …

Bibliotecas públicas: poucos empréstimos e pouco uso dos computadores

A organização "Public Libraries 2030", em conjunto com a Federação Internacional de Associações de Bibliotecas (IFLA), criou um conjunto de fichas sobre bibliotecas e competências, que mostra os principais dados estatísticos das bibliotecas relacionados com os dados do DESI (Digital Economy and Society Index) da UE.
Isto fornece uma mistura surpreendente de dados para utilização junto aos formuladores de políticas locais e europeias.


Portugal:

1 biblioteca pública por cada 22 833 habitantes. 1.7 milhões de empréstimos.Sem dados sobre empréstimo de ebooks. 93% das bibliotecas permite acesso à Internet a 100 mil adultos por ano.População com poucas competências digitais e competências não adequadas ao meio laboral



Só para comparar e ver como os números de portugal estão muito em baixo... veja-se Espanha:



Mais países em: https://publiclibraries2030.eu/resources/eu-library-factsheets/

"Public Libraries 2030" é uma organização sem fins lucrativos que nasceu do programa B…