A pronúncia de Cascais?


Em tempos corria a ideia que era na zona de Coimbra onde se falava o português mais correcto. Com o novo acordo ortográfico o Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) quer colocar a região de Lisboa como a norma na pronúncia do Português Europeu!! E assim cai o mito que só se está a rever a grafia: a fala lusa não ficará igual!

Isto tudo porque é necessário criar um Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) pois o acordo deixa muitas opções em aberto e assim em caso de dúvidas, será a referência oficial da língua... e que já devia estar pronto em 1993:
Os Estados signatários tomarão, através das instituições e órgãos competentes, as providências necessárias com vista à elaboração, até 1 de Janeiro de 1993, de um vocabulário ortográfico comum da língua portuguesa, tão completo quanto desejável e tão normalizador quanto possível, no que se refere às terminologias científicas e técnicas. (Artigo 2 do Acordo Ortográfico, 1990)
Ao que parece ninguém se entendeu para criar um VOLP comum pelo que a confusão aumentou.
E se o Brasil, onde o acordo já está em vigor, já tem um VOLP com 350 mil entradas e que foi coordenado por Evanildo Bechara (VOLP - ABL, 2009), Portugal parece que vai ter três!
  • A Porto Editora já editou um com a coordenação de Malaca Casteleiro e mais de 200 mil entradas (VOLP - Porto Editora, 2009).
  • Outro está em preparação pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) será coordenado por Margarita Correia e terá com mais de 150 mil entradas. Será gratuito (foi apoiado pelo Fundo da Língua Portuguesa) e que ficará disponível online no Portal da Língua Portuguesa (estava previsto para dia 4 de Janeiro 2010). 
  • Um terceiro (resumido e com 60 mil entradas?) está a ser elaborado pela Academia das Ciências de Lisboa com a supervisão de Maria Helena da Rocha Pereira e Aníbal Pinto de Castro (em Junho de 2009 foi anunciada a conclusão até ao final de 2009).

Com tudo isto é preciso saber qual a tradição seguida para definir a forma de escrita. para a ILTEC, é Lisboa:
"O acordo remete muitas vezes para uma tradição, mas em lugar nenhum define qual é essa tradição. Por isso optámos por regularizar bastante a ortografia". Em muitos casos isto significou tirar os hífens (de "cor-de-rosa", por exemplo, que o acordo admitia com hífens referindo a "tradição", ao mesmo tempo que deixava sem hífen "cor de vinho"). Quando a referência é a pronúncia optou-se por seguir a da região de Lisboa. (Margarita Correia, ILTEC)
E para os outros? «É a pronúncia do Norte / Os tontos chamam-lhe torpe» (ver vídeo)

Sobre o VOLP ler: www.ciberduvidas.com/articles.php?rid=2100

1 comentários:

Carlos Amaral disse...

A Priberam tem um Vocabulário disponível em http://www.flip.pt/vocabulario há cerca de um ano. Este vocabulário, de acesso gratuito, é o único que contempla a variedade portuguesa e brasileira, pré e pós-Acordo Ortográfico.

Enviar um comentário