Descarte segundo a Bertrand

Artigo no Público: Maria Teresa Horta acusa Bertrand de censura http://publico.pt/1424469
«Maria Teresa Horta acusou hoje a Bertrand Editora de ter censurado o seu romance “A paixão segundo Constança H.” ao ter destruído 500 exemplares do livro, depois de ter sido anunciado que este estava esgotado.(...)
Eduardo Boavida, da Bertrand Editora, rejeita que tenha havido uma violação dos direitos da escritora. Contactado pelo PÚBLICO, fez saber que foi enviada à Sociedade Portuguesa de Autores (SAP), uma carta, em 2007, onde se informaria a escritora da intenção de destruir os livros e se perguntava se ela pretendia adquiri-los. Aparentemente não houve resposta, acrescentou Boavida, sem adiantar mais pormenores»


Pergunta ociosa: não era mais útil oferecerem esses livros a bibliotecas escolares?
Claro que não seria numa altura próxima da edição pois as bibliotecas também são consumidoras (e os maiores ou únicos em muitos casos!). Mas após algum tempo quem não comprou, por não ter os recursos necessários para tanta edição em Portugal, agradecia umas ofertas. E quem sabe até se poderiam ganhar mais alguns leitores para determinados autores que posteriormente seriam novos consumidores.

Por estas e por outras, um dia, os autores vão perceber que não podem vender os seus direitos de publicação da obra por um tempo infinito!