Avançar para o conteúdo principal

Organizando o ano lectivo de 2011-2012

Saiu hoje em DR o despacho que orientará o funcionamento do próximo ano lectivo, também conhecido como OAL - Organização do Ano lectivo).
Despacho n.º 5328/2011. D.R. n.º 61, Série II de 2011-03-28
Ministério da Educação - Gabinete da Ministra
Estabelece regras e princípios orientadores a observar, em cada ano lectivo, na organização das escolas e na elaboração do horário semanal de trabalho do pessoal docente em exercício de funções no âmbito dos estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, bem como na distribuição do serviço docente correspondente
PDF - http://dre.pt/pdf2sdip/2011/03/061000000/1451914526.pdf
 As bibliotecas aparecem no artigo 13:

Sendo um documento tipificado ao longo dos anos, a sua leitura passa sempre por tentar descobrir as diferenças  relação ao ano transacto.
O artigo 13º (no ano actual era o 9º)  tem sofrido algumas alterações mínimas mas com algum significado. Se o ponto 1 apenas teve a actualização na referências aos diplomas legais que actualizaram a portaria 756/2009, já no ponto dois podemos fazer um exercício sobre as evoluções recentes do fraseado. E está melhor!

2011-2012 - O ponto 2 fica agora assim:
"2- Na designação dos docentes que, para além do professor bibliotecário, integram a equipa da BE deve ser dada preferência a docentes de carreira, com formação em bibliotecas escolares, sem serviço lectivo atribuído ou com horário com insuficiência de tempos lectivos." (Despacho n.º 5328/2011. D.R. n.º 61, Série II de 2011-03-28)
(aqui o professor bibliotecário é um dos elementos da equipa da BE, a formação específica é referida como critério para fazer parte da equipa... mas professor bibliotecário aparece no singular)

Note-se que a primeira proposta deste despacho era algo estranha pois parecia não incluir o professor bibliotecário nas equipas nem considerava a formação específica um critério para fazer parte dessas equipas:
"2- Na designação da equipa de docentes que integram a equipa da BE deve ser dada preferência a professores do quadro sem serviço lectivo atribuído ou com horário com insuficiência de tempos lectivos." (1ª proposta do despacho para 2011-2012)

 2010/2011 - O despacho em vigor dizia o seguinte no ponto 2:
"2- Na designação dos professores bibliotecários e da equipa de docentes que integram a equipa da BE, bem como na designação prevista no artigo 14.º da Portaria n.º 756/2009, de 14 de Julho, e cumprindo os critérios relativos ao procedimento interno de designação, deve ser dada preferência a professores de carreira sem serviço lectivo atribuído ou com horário com insuficiência de tempos lectivos." (Despacho 11120-B/2010 . D.R. n.º 129, Série II de 2010-07-06)
(Aqui o professor bibliotecário e equipa da BE são tidos como entidades diferentes, a formação específica não é referida como critério... mas professor bibliotecário aparece no plural)

Nota final: é bom ver um documento legal ser publicado apenas com aplicação, e com o devido tempo, para o ano lectivo seguinte. No caso deste tipo de despacho, Julho era a data usual o que não trazia vantagens para a preparação do ano lectivo. Boa leitura do documento e que seja bem analisado e incorporado nas normas internas das escolas.
Que este seja um bom exemplo para governantes futuros!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

Porque amo a minha biblioteca escolar?

"Why I Love My School Library" é o tema do MIBE - Mês Internacional das Bibliotecas Escolares que se comemora em Outubro de 2018.
Um tema que, segundo a IASL, se enquadra no objetivo deste ano de análise aos impactos da biblioteca escolar.
Porque amo a minha biblioteca escolar? Outubro será um bom momento para pensar nas nossas bibliotecas e nos nossos utilizadores. Porque é que gostamos das bibliotecas escolares? E o que não gostamos nelas?  Duas perguntas importantes e a fazer desde já. Todas as respostas serão motivos para estratégias de melhoria a realizar ao longo do ano letivo que agora se inicia.


Infos: IASL - https://iasl-online.wildapricot.org/advocacy/islm/index.html

DigCompEdu Competência Digital para Educadores

Foi lançado, em português, o Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores - DigCompEdu, um documento destinado docentes, da Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário, Ensino Superior e Educação de Adultos, incluindo formação geral e profissional, educação especial e contextos de aprendizagem não formal.

Nele são apresentadas 22 competências, organizadas em 6 áreas, e um modelo de progressão para ajudar os docentes a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital.
Este referencial, criado no âmbito da iniciativa DigComp da Comissão Europeia, pretende ajudar os estados membros na promoção das competências digitais dos seus cidadãos e impulsionar a inovação na educação.

Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores Responde à consciencialização crescente entre muitos estados membros europeus que os educadores precisam de um conjunto de competências digitais específicas para a sua profissão de modo a serem capazes de aproveitar o potencial das tecnologias digitais …