Avançar para o conteúdo principal

S"tor", quer ser meu amigo no Facebook?

«No ensino básico e secundário, há cada vez mais professores a utilizar as redes sociais e outras ferramentas tecnológicas para interagir com os alunos. Isto apesar de, na opinião de Luís Pereira, investigador no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, as escolas portuguesas viverem ainda num ambiente de "resistência" em relação a estas ferramentas.
"Há uma grande desconfiança, sobretudo por causa de receios relacionados com situações de cyberbullying", diz o investigador, que tem participado em trabalhos sobre estes temas.
É através de iniciativas isoladas de professores, como aconteceu com João Sá e outros docentes da Escola Avelar Brotero, que as redes sociais começam a ser utilizadas com objectivos pedagógicos.

A Rede de Bibliotecas Escolares também tem promovido a utilização destas ferramentas através de acções de formação a professores. Foi assim que Ilda Velez, professora bibliotecária na Escola Secundária D. Inês de Castro, em Alcobaça, começou a dinamizar páginas no Hi5, Twitter e Facebook, mesmo sendo "uma das professoras mais antigas da escola".
A docente utiliza as redes para fazer "sugestões de leitura" e "divulgação de actividades", mas também para "conversas informais com os alunos". "O ser "amigo no Face" aproxima-nos dos jovens - deixamos de ser só o "prof" ou o "s"tor"... E, numa análise um pouco impressiva, parece-me que os professores mais presentes nas redes sociais são também os mais amigos e procurados pelos alunos no espaço real da escola", conta.

A experiência tem "corrido bem": nos comentários na página do Facebook da biblioteca, Ilda Velez nota um "esforço de contenção" e de correcção linguística por parte dos alunos e um maior "interesse" no acompanhamento das actividades. "Até hoje, só tive que ocultar três comentários impróprios e todos de ex-alunos da escola", afirma.

"Acho legítima a opção de aceitar ou não aceitar pedidos de amizades de alunos. Eu aceito-os e não tenho problemas com isso, mas reconheço que há uma certa diluição do espaço profissional. A escola torna-se mais horizontal e o meu papel enquanto professor sai muito da sala de aula", diz João Sá.

Ilda Velez admite mesmo que os professores devem estar atentos aos "desafios e riscos que as redes colocam às relações entre professores e alunos". Um desafio que considera "fundamental é o da privacidade". "Um professor tem que saber gerir muito bem tudo o que escreve, comenta e "gosta". E não se pode esquecer nunca que não deixa de ser professor pelo facto de estar online", diz.»

(excertos do artigo de André Jegundo no Jornal Público - 04 de Setembro de 2011)
Pode ler a transcrição do artigo aqui

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

DigCompEdu Competência Digital para Educadores

Foi lançado, em português, o Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores - DigCompEdu, um documento destinado docentes, da Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário, Ensino Superior e Educação de Adultos, incluindo formação geral e profissional, educação especial e contextos de aprendizagem não formal.

Nele são apresentadas 22 competências, organizadas em 6 áreas, e um modelo de progressão para ajudar os docentes a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital.
Este referencial, criado no âmbito da iniciativa DigComp da Comissão Europeia, pretende ajudar os estados membros na promoção das competências digitais dos seus cidadãos e impulsionar a inovação na educação.

Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores Responde à consciencialização crescente entre muitos estados membros europeus que os educadores precisam de um conjunto de competências digitais específicas para a sua profissão de modo a serem capazes de aproveitar o potencial das tecnologias digitais …

Bibliotecas públicas: poucos empréstimos e pouco uso dos computadores

A organização "Public Libraries 2030", em conjunto com a Federação Internacional de Associações de Bibliotecas (IFLA), criou um conjunto de fichas sobre bibliotecas e competências, que mostra os principais dados estatísticos das bibliotecas relacionados com os dados do DESI (Digital Economy and Society Index) da UE.
Isto fornece uma mistura surpreendente de dados para utilização junto aos formuladores de políticas locais e europeias.


Portugal:

1 biblioteca pública por cada 22 833 habitantes. 1.7 milhões de empréstimos.Sem dados sobre empréstimo de ebooks. 93% das bibliotecas permite acesso à Internet a 100 mil adultos por ano.População com poucas competências digitais e competências não adequadas ao meio laboral



Só para comparar e ver como os números de portugal estão muito em baixo... veja-se Espanha:



Mais países em: https://publiclibraries2030.eu/resources/eu-library-factsheets/

"Public Libraries 2030" é uma organização sem fins lucrativos que nasceu do programa B…