Avançar para o conteúdo principal

S"tor", quer ser meu amigo no Facebook?

«No ensino básico e secundário, há cada vez mais professores a utilizar as redes sociais e outras ferramentas tecnológicas para interagir com os alunos. Isto apesar de, na opinião de Luís Pereira, investigador no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, as escolas portuguesas viverem ainda num ambiente de "resistência" em relação a estas ferramentas.
"Há uma grande desconfiança, sobretudo por causa de receios relacionados com situações de cyberbullying", diz o investigador, que tem participado em trabalhos sobre estes temas.
É através de iniciativas isoladas de professores, como aconteceu com João Sá e outros docentes da Escola Avelar Brotero, que as redes sociais começam a ser utilizadas com objectivos pedagógicos.

A Rede de Bibliotecas Escolares também tem promovido a utilização destas ferramentas através de acções de formação a professores. Foi assim que Ilda Velez, professora bibliotecária na Escola Secundária D. Inês de Castro, em Alcobaça, começou a dinamizar páginas no Hi5, Twitter e Facebook, mesmo sendo "uma das professoras mais antigas da escola".
A docente utiliza as redes para fazer "sugestões de leitura" e "divulgação de actividades", mas também para "conversas informais com os alunos". "O ser "amigo no Face" aproxima-nos dos jovens - deixamos de ser só o "prof" ou o "s"tor"... E, numa análise um pouco impressiva, parece-me que os professores mais presentes nas redes sociais são também os mais amigos e procurados pelos alunos no espaço real da escola", conta.

A experiência tem "corrido bem": nos comentários na página do Facebook da biblioteca, Ilda Velez nota um "esforço de contenção" e de correcção linguística por parte dos alunos e um maior "interesse" no acompanhamento das actividades. "Até hoje, só tive que ocultar três comentários impróprios e todos de ex-alunos da escola", afirma.

"Acho legítima a opção de aceitar ou não aceitar pedidos de amizades de alunos. Eu aceito-os e não tenho problemas com isso, mas reconheço que há uma certa diluição do espaço profissional. A escola torna-se mais horizontal e o meu papel enquanto professor sai muito da sala de aula", diz João Sá.

Ilda Velez admite mesmo que os professores devem estar atentos aos "desafios e riscos que as redes colocam às relações entre professores e alunos". Um desafio que considera "fundamental é o da privacidade". "Um professor tem que saber gerir muito bem tudo o que escreve, comenta e "gosta". E não se pode esquecer nunca que não deixa de ser professor pelo facto de estar online", diz.»

(excertos do artigo de André Jegundo no Jornal Público - 04 de Setembro de 2011)
Pode ler a transcrição do artigo aqui

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

Porque amo a minha biblioteca escolar?

"Why I Love My School Library" é o tema do MIBE - Mês Internacional das Bibliotecas Escolares que se comemora em Outubro de 2018.
Um tema que, segundo a IASL, se enquadra no objetivo deste ano de análise aos impactos da biblioteca escolar.
Porque amo a minha biblioteca escolar? Outubro será um bom momento para pensar nas nossas bibliotecas e nos nossos utilizadores. Porque é que gostamos das bibliotecas escolares? E o que não gostamos nelas?  Duas perguntas importantes e a fazer desde já. Todas as respostas serão motivos para estratégias de melhoria a realizar ao longo do ano letivo que agora se inicia.


Infos: IASL - https://iasl-online.wildapricot.org/advocacy/islm/index.html

DigCompEdu Competência Digital para Educadores

Foi lançado, em português, o Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores - DigCompEdu, um documento destinado docentes, da Educação Pré-Escolar ao Ensino Secundário, Ensino Superior e Educação de Adultos, incluindo formação geral e profissional, educação especial e contextos de aprendizagem não formal.

Nele são apresentadas 22 competências, organizadas em 6 áreas, e um modelo de progressão para ajudar os docentes a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital.
Este referencial, criado no âmbito da iniciativa DigComp da Comissão Europeia, pretende ajudar os estados membros na promoção das competências digitais dos seus cidadãos e impulsionar a inovação na educação.

Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores Responde à consciencialização crescente entre muitos estados membros europeus que os educadores precisam de um conjunto de competências digitais específicas para a sua profissão de modo a serem capazes de aproveitar o potencial das tecnologias digitais …