Avançar para o conteúdo principal

Autoavaliação Bibliotecas Escolares em Espanha

Trata-se de um processo de auto-avaliação com base em perguntas que foram agrupadas por referência ao modelo escocês que parte do questionar sobre "como se está a fazer o trabalho" e "como se pode saber".
Daí faz-se a avaliação de que irá surgir a questão sobre "o que fazer" e, em seguida, o plano de melhoria.

Para implementar são tomadas como referência quatro níveis de análise:
  1. Contexto educacional, em particular a existência de um programa institucional de bibliotecas escolares, características do local e do meio ambiente.
  2. Entrada, ou seja, o valor e a integração da biblioteca na escola e a análise dos recursos a ela alocados.
  3. Processos no âmbito da escola, salas de aula, redes de escolas, redes de bibliotecas e as comunidades educativas para avaliar a integração educacional, necessidades, competências, pontes com a comunidade, e assim por diante.
  4. Impacto, ou seja, as repercussões nos usos e nos utilizadores a partir de uma perspetiva ampla.

Documento de referência: Ines Miret, Monica Baro, Teresa Maña, Inmaculada Vellosillo - Bibliotecas escolares ¿entre interrogantes? Herramienta de autoevaluación. Preguntas e indicadores para mejorar la biblioteca. Ministerio de Educacion, Fundacion German Sanchez Ruiperez, 2011.
- Download PDF: http://www.lecturalab.org/uploads/website/docs/2684-2-Bibliotecas_escolares_entre_interrogantes.pdf




Esta ferramenta de auto-avaliação destina-se tanto aos responsáveis pela biblioteca como à equipa de gestão da escola. Pretende estudar a situação de cada escola em catorze dimensões de avaliação:
  • Valor e de integração na escola
  • Acessibilidade
  • Visibilidade
  • Apoio ao currículo
  • Análise de necessidades e oferta de serviços
  • Adequação dos recursos documentais
  • Coordenação pedagógica
  • Competências em leitura e escrita
  • Competências digitais de informação e de "aprender a aprender"
  • Competências sociais e cívicas
  • Utilização e utilizadores
  • Planeamento e avaliação
  • Trabalho em equipa
  • Comunidade de profissionais
  • Pontes com a comunidade
 
A criação deste instrumento de avaliação tem como referência estudos internacionais, mas foram particularmente estudados os modelos Inglês e Escocês. Outros estudos analisados:

Apresentado no encontro "Bibliotecas Escolares en Tránsito", Santiago de Compostela (10 a 12 de novembro de 2011)
[fontes originais: LECTURA LAB¿QUÉ NOS CONTAMOS? ]

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

Se conduzir... não leia!

Se conduzir não leia... mesmo que seja James Patterson!

O condutor de 53 anos dá uma desculpa, de arrepiar, sobre a sua condução errática: estava a ler o último thriller de James Patterson.
Foi multado por não conduzir com o devido cuidado (EUA, Minnesota).

Se conduzir não leia!


YouTube - https://youtu.be/THSDhl07Vt0

Saiba mais sobre James Patterson.

Original em TODAY.com (22/01/2016) - Distracted driver's excuse to cop: I was reading James Patterson

Elsa Conde e Teresa Calçada no PNL2017

A implementação e monitorização do Plano Nacional de Leitura até 2027 ficará sob responsabilidade de uma comissão que inclui os Ministérios da Educação, Cultura e Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.
A comissão interministerial a ser presidida por Teresa Calçada e Elsa Maria Conde estará dependente do Ministério da Educação, em articulação com as tutelas da Cultura e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Objetivo: "Fazer uma aposta abrangente na leitura, seja a literária, científica, em papel ou noutros suportes" (Teresa Calçada).

O PNL quer agora “levar a leitura a outras esferas da sociedade”, mostrando que esta “não é apenas património de alguns” e promovendo hábitos de leitura ao longo da vida: junto de famílias, crianças, jovens e adultos. E, sem descurar o papel das bibliotecas escolares, pretende-se criar condições para a promover nas instituições de ensino superior e da rede de centros de Ciência Viva.

“Em todos os locais onde seja possível dizer 'ler é bom…