Imagens de Natal

Em tempo de crise, muitas imagens para alegrar esta quadra natalícia:


Ligações para os álbuns:

E alguns cartoons para exercícios de humor:
É favor rir baixinho que isto é uma biblioteca!

[ Ler Mais ]

Árvore de natal em papel

Será pela crise económica ou pela pouca utilização dos livros de referência nas bibliotecas mas o certo é que as árvores de natal em papel começam a ser uma moda. Livros empilhados, livros abertos, mais altas ou mais pequenas, são uma imagem cada vez mais comum em bibliotecas, num exercício de criatividade e de trabalho de equipa.

Em 2009 na biblioteca de Gleeson (São Francisco, EUA)
Nos Estados Unidos até já existe um livro de referência para os desafios entre bibliotecas, sendo este ano de 2011 muito bem representado pelas imagens disponíveis
Neste caso a moda começou em 2009 com a biblioteca de Gleeson (São Francisco, EUA) a utilizar como material os volumes verdes da "National Union Catalog". Já vão na terceira edição da árvore com muitos seguidores noutras bibliotecas (designadas até pela sigla do livro utilizado, NUC).
É o momento de glória desta obra, em tempos de referência, e que durante o ano não tem uso!

Pode ver mais árvores destas (algumas nacionais) neste álbum: Árvores de Natal em papel


Para o próximo ano espero ver mais em Portugal... quem sabe começar a usar a enciclopédia Luso-Brasileira!
As cassetes VHS também seriam um bom material de construção!
É o sinal dos tempos mas também seria uma boa ocasião para redefinirem as políticas de desbaste na sua biblioteca e já nem fazer regressar esses documentos às estantes. É construir e embelezar (cuidado com a utilização de iluminação de natal!)

Mas se o céu é o limite, a Biblioteca universitária de Warmia & Mazury (Olsztyn, Polónia) colocou 1600 livros numa árvore!!




Mas também podem criar árvores mais simples, mas não menos belas, como esta
Criada em 2011 na Biblioteca da EB 2,3 José Carlos da Maia (Olhão, Portugal)


E fica aqui um vídeo para quem gosta de trabalhos manuais e reciclar folhas de papel!

a

[ Ler Mais ]

Vale a pena oferecer um livro?

Receber livros de presente é uma forma de enriquecer a aprendizagem em casa e podem contribuir para incentivar as crianças e os jovens a gostar de ler por prazer. É o que nos diz o estudo "The Gift of Reading in 2011", proveniente do Reino Unido.
«Esta pesquisa mostra que receber um livro como presente está claramente ligada às capacidades de leitura das crianças e que ter os próprios livros está associado com leituras mais frequentes. Os jovens que possuem os seus próprios livros têm duas vezes mais probabilidade de dizer que lêem todos os dias do que os seus pares que não têm livros. Por sua vez, a posse do livro também está diretamente ligada ao êxito na leitura.
Receber livros de presente é uma forma de enriquecer o a aprendizagem em casa e podem contribuir para incentivar as crianças e os jovens a gostar de ler por prazer. »

Clark, C, Woodley, J and Lewis, F. (2011). The Gift of Reading in 2011: Children and young people’s access to books and attitudes towards reading. London: National Literacy Trust

«Esta pesquisa tem sistematicamente salientado a ligação entre a leitura por prazer e êxito na leitura. De forma preocupante descobrimos que o número de crianças e jovens que afirmam que possuir um livro parece estar a diminuir rapidamente. Em 2005, 1 em cada 10 das crianças e jovens que entrevistamos disseram que não tinham um livro seu na sua própria em casa, enquanto em 2011 a cifra eleva-se a uns surpreendentes uma em três crianças.
Tendo em conta que, no Reino Unido, um em cada seis pessoas tem o nível de alfabetização esperados de uma criança de onze anos, a nossa preocupação aumenta.

Neste novo relatório, vamos explorar a leitura das crianças em 2011 com as conclusões da nossa primeira pesquisa anual de alfabetização no Reino Unido. Examina a propriedade de livros pelas crianças, o acesso a materiais de leitura, a frequência de leitura e atitudes face à leitura. Consideramos também como estes fatores podem afetar as capacidades das crianças e jovens na leitura.»

[ Ler Mais ]

Pai Natal, esse grande leitor!

Desde histórias para crianças a lista de meninos bem comportados, o Pai natal é um ávido leitor.

A manhã de natal será melhor se começar com um livro novo!


Para ver imagens das leituras do Pai Natal visite este álbum do Biblioteia

[ Ler Mais ]

Volta ao mundo em 80 contos

Volta ao Mundo em 80 Contos é projeto coletivo que utiliza a tecnologia de mapas do Google e apresenta contos de todo o mundo

Iniciado em 2010 por "Educa con TIC" conta com a colaboração web de marinheiros de todas as redes para recolha e criação de viagens literárias à volta do mundo.
Segundo os autores, «o número de pontos de vista é tão impressionante que até mesmo as histórias em si foram surpreendidas»

Ver projeto: http://g.co/maps/h28mm


Ver La vuelta al mundo en 80 cuentos em tamanho grande

 Nota: para mais imagens do Pai natal a ler carregue aqui

[ Ler Mais ]

O Hobbit, em filmagem!

Antes dos livros "O Senhor dos Anéis" (1954) J. R. R. Tolkien escreveu "The Hobbit, or There and Back Again" (1937) com a história de Bilbo Baggins e que agora está a ser filmado por Peter Jackson com o título "The Hobbit: An Unexpected Journey".
O filme sairá daqui a um ano mas foi agora publicado o trailer:


Com realização de Peter Jackson, o novo filme "The Hobbit: An Unexpected Journey"  conta com as atuações de Cate Blanchett, Hugo Weaving, Elijah Wood, Orlando Bloom, Andy Serkis, Luke Evans, Benedict Cumberbatch, Evangeline Lilly, Stephen Fry e Martin Freeman (como Bilbo Baggins)

Note-se que "The Hobbit" não é uma prequela, sendo que o The Lord of the Rings é que é a sequela!! Para ser prequela teria de ser escrito posteriormente embora retratando acontecimentos anteriores à história original. O Hobbit, embora retrate tempos anteriores ao "Senhor dos Anéis" foi escrito e publicado muito antes (em 1937).

O "The Lord of the Rings" (Senhor dos Anéis), escrito entre 1937 e 1949, foi precisamente uma encomenda do editor como sequela devido ao grande sucesso de O Hobbit. Tolkien escreveu The Silmarillion mas foi rejeitado pelo editor por não ser uma verdadeira sequela.
Começou então a escrever o 'The New Hobbit' que se transformou posteriormente no "The Lord of the Rings", uma história mais elaborada e mais dirigido ao público jovem adulto. Este "Senhor dos Anéis" acabou por ser publicado entre 1954 e 1955 em conjuntos que depois se convencionou chamar de trilogia!
E num fenómeno raro, a sequela acabou por se tornar maior que a histótia original. O senhor dos Anéis é tido como o terceiro romance mais vendido de sempre (a seguir a "Uma história de duas cidades" de Charles Dickens e "O principezinho" de Antoine de Saint-Exupéry). É ainda a obra referência no mundo da ficção de fantasia, tendo-se tornado uma de culto nos leitores mas também no mundo dos ilustradores e da música.
Com inúmeras adaptações à TV e cinema, foi Peter Jackson quem levou o próprio cinema a uma nova dimensão num autêntico sucesso de bilheteiras mas também de tecnologia de gravação. Para além de colocar a Nova Zelândia no mapa da produção cinematográfica.
Para os fans... é um só mundo!

 Agora é esperar pelo Natal de 2012!

[ Ler Mais ]

Boas Festas da RBE

Boas Festas: Um Ano Novo preenchido de leituras

A Rede Bibliotecas Escolares deseja aos professores bibliotecários, equipas e a todos aqueles que colaboram e utilizam as bibliotecas escolares votos de Boas Festas e Bom Ano.

Postal de Natal 2011 da Rede Bibliotecas Escolares, Portugal - http://www.rbe.min-edu.pt/np4/421.html

[ Ler Mais ]

Unesco e Bibliotecas Digitais

A UNESCO aprovou o Manifesto da IFLA para as Bibliotecas Digitais, na sua 36ª Conferência Geral (em novembro 2011). O Manifesto apresenta princípios para ajudar as bibliotecas na realização de atividades de digitalização sustentáveis ​​e inter-operáveis ​​para colmatar o fosso digital - um fator fundamental para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do programa Milénio das Nações Unidas.

As bibliotecas digitais são essenciais para o acesso à informação e para preservar o património nacional.
A ler: Manifesto para as bibliotecas Digitais (2010) : Preencher a separação digital: tornar o património cultural e científico do mundo acessível a todos


Texto da UNESCO Digital Library Manifesto of the International Federation of Library Associations and Institutions (IFLA)


[fonte: UNESCO endorses the IFLA Manifesto for Digital Libraries | IFLA , http://www.ifla.org/en/news/unesco-endorses-the-ifla-manifesto-for-digital-libraries

[ Ler Mais ]

Autoavaliação Bibliotecas Escolares em Espanha

Trata-se de um processo de auto-avaliação com base em perguntas que foram agrupadas por referência ao modelo escocês que parte do questionar sobre "como se está a fazer o trabalho" e "como se pode saber".
Daí faz-se a avaliação de que irá surgir a questão sobre "o que fazer" e, em seguida, o plano de melhoria.

Para implementar são tomadas como referência quatro níveis de análise:

  1. Contexto educacional, em particular a existência de um programa institucional de bibliotecas escolares, características do local e do meio ambiente.
  2. Entrada, ou seja, o valor e a integração da biblioteca na escola e a análise dos recursos a ela alocados.
  3. Processos no âmbito da escola, salas de aula, redes de escolas, redes de bibliotecas e as comunidades educativas para avaliar a integração educacional, necessidades, competências, pontes com a comunidade, e assim por diante.
  4. Impacto, ou seja, as repercussões nos usos e nos utilizadores a partir de uma perspetiva ampla.

Documento de referência: Ines Miret, Monica Baro, Teresa Maña, Inmaculada Vellosillo - Bibliotecas escolares ¿entre interrogantes? Herramienta de autoevaluación. Preguntas e indicadores para mejorar la biblioteca. Ministerio de Educacion, Fundacion German Sanchez Ruiperez, 2011.
- Download PDF: http://www.lecturalab.org/uploads/website/docs/2684-2-Bibliotecas_escolares_entre_interrogantes.pdf




Esta ferramenta de auto-avaliação destina-se tanto aos responsáveis pela biblioteca como à equipa de gestão da escola. Pretende estudar a situação de cada escola em catorze dimensões de avaliação:
  • Valor e de integração na escola
  • Acessibilidade
  • Visibilidade
  • Apoio ao currículo
  • Análise de necessidades e oferta de serviços
  • Adequação dos recursos documentais
  • Coordenação pedagógica
  • Competências em leitura e escrita
  • Competências digitais de informação e de "aprender a aprender"
  • Competências sociais e cívicas
  • Utilização e utilizadores
  • Planeamento e avaliação
  • Trabalho em equipa
  • Comunidade de profissionais
  • Pontes com a comunidade
 
A criação deste instrumento de avaliação tem como referência estudos internacionais, mas foram particularmente estudados os modelos Inglês e Escocês. Outros estudos analisados:

Apresentado no encontro "Bibliotecas Escolares en Tránsito", Santiago de Compostela (10 a 12 de novembro de 2011)
[fontes originais: LECTURA LAB¿QUÉ NOS CONTAMOS? ]

[ Ler Mais ]

Kobli, software de bibliotecas (Espanha)

Em Espanha, as bibliotecas da administração do estado adaptaram o software gratuito e aberto Koha para a realidade espanhola, criando assim o Kobli.
O Kobli é um ILS (Integrated Library System) criado pelo Grupo de trabalho das Bibliotecas de la Administración General del Estado de Espanha, passando a ser o seu software de gestão de bibliotecas de uma forma gratuita.
Em Espanha o programa ABIES http://abies.cnice.mec.es/web é o utilizado nas bibliotecas escolares sendo produzido pelo seu Ministério da Educação e com distribuição gratuita para as escolas espanholas. Não sendo ainda certo relativamente ao como e quando, este programa será igualmente alterado para solução web.

Mais informações o Kobli e o Koha:

[ Ler Mais ]

Nós Portugueses: as bibliotecas

O segmento "Nós Portugueses" é apresentado no telejornal da RTP, apresentando dados estatísticos sobre Portugal e os portugueses a partir dos dados da base PORDATA. No dia 28 de Novembro a análise incidiu sobre as bibliotecas escolares e públicas. Fica o vídeo (parte do telejornal):
A definição de biblioteca não é das mais famosas mas fica a análise gráfica!






Programa Nós Portugueses - Canal RTP (Telejornal de 28/11/2011) com apresentação da jornalista Alberta Marques Fernandes
Pordata.  - Base de Dados de Portugal Contemporâneo, organizada pela FFMS, Fundação Francisco Manuel dos Santos. www.pordata.pt
Canal do Youtube da FFMS

[ Ler Mais ]