Avançar para o conteúdo principal

Bibliotecas digitais comerciais

Jean-Nöel Jeanneney, director da Biblioteca Nacional da França, esteve no Colóquio de Bibliotecas Digitais realizado no Rio de Janeiro e mostrou-se preocupado com a influência de empresas como o Google na determinação do futuro das bibliotecas digitais em vez da valorização do papel dos estados.
"É claro que é bom ter acesso à informação, mas é preciso que seu controle não fique só com uma empresa, que seu financiamento não se dê só pela publicidade e que essa grande quantidade de informação seja ordenada. O Estado sempre interveio nos meios de comunicação, criando barreiras aos produtos estrangeiros ou cotas. Na internet é impossível intervir dessa forma, mas pode-se agir afirmativamente, criando ou estimulando a criação de bibliotecas virtuais e a publicação de mais e mais títulos nessa nova mídia."
Refreando o entusiasmo do autor (que ao mesmo tempo apresentou o seu novo livro intitulado "Quando Google desafia a Europa") penso que será de analisar melhor o papel dos estados no controlo da informação pois não se têm limitado à sua preservação. Os estados, ao longo dos tempos, têm procurado controlar o acesso a esta informação, e se agora reagem fazem-no obrigados pelos acontecimentos que rodeiam as autoestradas da informação.
Se foi a invenção da imprensa que trouxe o saber para fora dos Mosteiros, é a Internet que pode trazer o saber para casa das pessoas. Os estados estão a reagir... menos na formação de utilizadores da internet, nas suas literacias e capacidades de escolha, mas mais no apoio aos interesses de grupos de influência ligados aos direitos de autor.
A intervenção dos estados tem de se orientar para a correcção de distorções criadas pelos interesses dos serviços privados na digitalização de bibliotecas, e aí sim, a iniciativa da Alemanha e França na construção de uma biblioteca digital Europeia é de aplaudir. Não por quererem competir com o Google, mas sim porque o Google não se interessou pelo património Francês e Alemão, valorizando o Inglês que é mais rentável.
Falta saber quando é que o estado português (e CPLP por arrasto) perceberá que é preciso valorizar a cultura portuguesa e se saberá manter afastado dos interesses Franco-germânicos... por enquanto escondidos cobre a capa da cultura europeia!

Comentários

por acaso tb abordei algo afim há usn tempos

http://rotacaodifusa.blogspot.com/2005_05_01_rotacaodifusa_archive.html
(no incio desse mês)

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

Elsa Conde e Teresa Calçada no PNL2017

A implementação e monitorização do Plano Nacional de Leitura até 2027 ficará sob responsabilidade de uma comissão que inclui os Ministérios da Educação, Cultura e Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.
A comissão interministerial a ser presidida por Teresa Calçada e Elsa Maria Conde estará dependente do Ministério da Educação, em articulação com as tutelas da Cultura e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Objetivo: "Fazer uma aposta abrangente na leitura, seja a literária, científica, em papel ou noutros suportes" (Teresa Calçada).

O PNL quer agora “levar a leitura a outras esferas da sociedade”, mostrando que esta “não é apenas património de alguns” e promovendo hábitos de leitura ao longo da vida: junto de famílias, crianças, jovens e adultos. E, sem descurar o papel das bibliotecas escolares, pretende-se criar condições para a promover nas instituições de ensino superior e da rede de centros de Ciência Viva.

“Em todos os locais onde seja possível dizer 'ler é bom…