2010 o ano da tinta digital: leitores de e-book

Os e-books não são uma questão de hardware. Existem mil e um equipamentos para os ler, desde o telemóvel ao computador incluindo agora o novo formato Slate (Lousa em português... sim a pura e dura lousa das escolas!) como os da HP e futuro Slate da Apple (este novo formato de máquina e próxima do formato Tablet).

Tinta electrónica (e-ink)
Para leitores ávidos (e para bibliotecas do futuro) a verdadeira leitura de e-books será efectuada em leitores com tecnologia de "tinta electrónica" como é o caso do Kindle e do Sony Reader pois permitem uma qualidade de leitura e não possuem os problemas que os equipamentos electrónicos apresentam (barulho, visibilidade, peso)... o que permite leitura até meio da praia. Por enquanto ainda apenas em graus de cinza, a cor será um requisito para o futuro (livros ilustrados e jornais).

As novidades
Surgem agora dois novos equipamentos orientados para mercados diferentes: Nook (um concorrente directo ao Kindle) e o "QUE proReader" (orientado para o mercado empresarial pois lê documentos Office). Com estes dois equipamentos em competição com os actuais nada será como dantes no mercado dos e-books.
Natal foi altura de prendas e as empresas sabem vender para a árvore de natal, embora este ano só o Kindle foi efectivamente recebido debaixo da árvore. As outras empresas recorreram mais ao vale-prenda pois os pedidos foram acima do esperado.


Janeiro é a altura da divulgação das novidades tecnológicas, especialmente com feiras tecnológicas como a CES2010. Na imagem os Slate da Samsung e o da HP, este apresentado por Steve Ballmer, CEO da Microsoft (Foto: Mario Anzuoni/Reuters).

A Apple também irá entrar no mercado mas sem a "tinta digital"... mas vão ter vantagens na visualização de revistas... e o 'mundo' já aguarda por estes "iPhone gigantes"

Onde?
Estamos numa aldeia global mas aqui surge a barreira da língua e das culturas empresariais locais. Claro que este movimento para o digital é quase um exclusivo de dos países onde os conteúdos (livros) existem em versão e-book (ou pelo menos para quem lê em inglês!).

As editoras internacionais já publicam os mais recentes êxitos de literatura mesmo antes de serem publicados em versão papel.
Ao acompanhar as tendências dos filmes ou músicas publicadas antes da publicação oficial, podem assim publicar as versões "Early releases" que são distribuídas em circuitos fechados para comunidades especiais (como os utilizadores do site www.librarything.com ou para alguns bibliotecários ou jornalistas da área).
Portanto quando um livro da série Twilight aparece na janela de uma livraria já muita gente o leu e já é recomendado por quem é importante na divulgação!

Como tudo é diferente em Portugal onde a oferta de livros recentes em formato digital é ainda uma raridade (com excepção de alguns livros que começam a sair em versão pirata!). As editoras ainda estão a usar o sistema de esperar para ver e pouco preocupadas com as novidade editoriais mas mais com as antiguidades que já nem pensam republicar. Ao menos isso!
Ou então agem com soberba e ignorando que são elas próprias a causa de não ganharem dinheiro com o novo formato, apenas porque o temem (acima de tudo é ignorância o que aqui está em causa):
E quando se edita alguma coisa, mesmo que antiga, até é notícia de jornal:
Será que vão ser ultrapassadas pelas livrarias?

As livrarias
As grandes livrarias estão a vender e-books como pães quentes... e cada grande livraria está a investir ainda na comercialização e produção de leitores específicos. Assim a Amazon trabalha com o Kindle... o que nem sempre é bom em termos futuros. Seria como comprar livros em papel... mas com estantes da IKEA e nunca os poder mudar de estante. Mas o certo é que têm sido as grandes impulsionadoras dos e-books .
A novidade deste ano é a Barnes e Noble que investiu em dois leitores (que possuem já aquele factor "super cool") e estão a fazer disparar o interesse em e-books (1 milhão disponíveis, incluindo todas as novidades... isto a acrescer à integração dos livros digitalizados pelo Google na sua livraria.)
Ainda por cima estão ligados a novas ideias no mundo dos e-books: convidam a ir à livraria ler um e-book gratuitamente, emprestar um livro digital por 14 dias a um amigo, etc, etc.
A táctica desta grande livraria/editora assenta em duas soluções de hardware (QUE proReader e Nook), orientados para dois públicos distintos e ambos com tinta electrónica.
Estes já perceberam o que está em causa por parte dos leitores: não é o equipamento, são os serviços!


Que aparelhos escolher?
2010 vai fazer aparecer inúmeros equipamentos e orientados para necessidades e leitores específicos. Assim sendo os principais adversários representam igualmente soluções diferentes e cada leitor vai ter de analisar o mercado.
É igualmente uma revolução cultural que está em causa e passar do livro em papel para o livro digital não é fácil.


Solução 1 - Para leitores em jeans = Nook
(Livraria Barnes & Noble,  259 dólares www.barnesandnoble.com/nook/)
Tamanho livro de bolso (19,6x12,4 cm, 1,3 de espessura, 317 gramas), especificamente para livros (vários formatos), também lê MP3. Prático, simples e funcional... e bateria para 10 dias!
Notícias:

Até vai dar para ir à loja e ler o livro que se quiser em formato digital (em vez de andar a mexer nos livros em papel!). Com a vantagem de que pode ler livros que não tenham sido comprados na livraria A, B ou C.



Análises críticas em vídeo (e algumas até divertidas!)

Para a revista TIME já aparece em 2º lugar no quadro de honra dos Gadgets de electrónica do Ano
Top 10 Gadgets logo a seguir ao Motorola Droid.



Solução 2 - Para leitores de fato e gravata = QUE proReader
(Plastic Logic) - www.quereader.com/ (649 dólares, só sai em Abril)
Leitura de documentos pensada para empresários e não apenas para literatura (dá para todos os documentos que possam ser imprimidos no computador)
A máquina é do tipo bloco A4, 7 mm de espessura... e tudo em plástico (podem deixar cair no chão) e provavelmente na casa dos 500 dólares. Vai ser a "pasta de executivo a caminho da reunião"!





Solução 3 - Para os adeptos da Amazon= Amazon Kindle DX -

(Amazon por 399 euros www.amazon.com/kindle - nova versão a 19 de Janeiro)
A versão anterior foi um sucesso comercial, está implementado, tem imagem de marca e está bem integrado com outros equipamentos (iPhone).
O verdadeiro problema deste leitor são os formatos dos documentos. Quem usa Amazon estará bem servido mas não é aposta séria para instituições ou para o futuro.



Solução 4 - Reader Daily Edition
(Sony - 399 dólares)
É o sucessor do Sony Reader Touch (actualmente o único adversário do Kindle) e deixa de ter os problemas do anterior que era pequeno e implicava ligações ao computador para carregar documentos.  Agora com acesso 3G gratuito à loja Sony a inovação será a sua utilização num sistema de empréstimos nas bibliotecas dos EUA (públicas e universitárias) em que o empréstimo já inclui a própria máquina! Claro que serão livros com protecção de cópia (DRM) o que pode ser um problema para as próprias bibliotecas pois vão ficar dependentes de um sistema (e claro a Europa ficará para mais tarde!)


Modelo de distribuição e de formatos
A guerra agora é: ser como o Kindle (disponibilizar os seus livros em vários leitores... mas só ler formatos específicos) ou seguir o modelo do Nook (os livros de todas as livrarias/formatos podem ser lidos no seu leitor).
A última aproximação será a melhor pois permitirá aos leitores escolherem outros equipamentos no futuro... isto desde que sejam livros em formatos abertos!

Preços de livros: o último livro de Dan Brown custa, na B&N, 13 euros em papel e 6,5 euros em formato digital. Os livros depois descem de preço e é possível encontrar livros a menos de 3 euros. Mas, tal como na música, a venda em lojas das editoras só será um sucesso se atingir o mítico preço de 99 cêntimos de dólar!



Tendências futuras
Agora só faltam ecrãs de tipo maleável (já aparecem em demos) e ilustrações a cores (o Kindle já abriu a guerra neste mercado). Para o natal de 2010, as tendências serão:
  • Visualização de fotografias a cores.
  • Leitores em plástico flexível
  • Multimédia vai estar em força em leitores tipo "tablet" e "slate"
  • Um Nook abaixo dos 100 euros?!
  • Livros a 99 cêntimos?
A Qualcomm já está a avançar com o seu Mirasol que permite cores e vídeo:

Análise: www.slashgear.com/qualcomm-mirasol-color-video-ebook-readers-to-ship-in-2010-1863752/

E 2011? A proposta da Plastic Logic será um leitor de e-books flexível (olhem só para a parte do ecrã e não os acessórios!): http://www.youtube.com/watch?v=0znv3V-GsNk

Máquinas a ter atenção no futuro:

E muitas mais irão surgir!
      Os serviços do futuro
      Os aparelhos que estão em produção vão permitir a leitura de livros mas também de outros documentos multimédia. A digitalização de documentos antigos não tem estes equipamentos como alvo (os livros digitalizados são imagens e não texto), mas as novas edições serão o campo de navegação destes equipamentos.
      O empréstimo de documentos é o segredo do sucesso para o utilizador e o grande perigo para as editoras.
      O novo mercado será a visualização dos jornais e revistas o que fará alterar os hábitos de leitura online. Mas ainda é cedo, pois o segredo estará na capacidade de transmitir publicidade e isso só se vai conseguir com acessos online gratuitos (e não apenas baratos!)


        Síntese - máquinas e leitores:
        São muitas novidades ao mesmo tempo comprovando um mercado em expansão. Em ambos os casos a 2ª versão dos equipamentos vai ser muito mais interessante, mas já perceberam que o sucesso não está na tecnologia (a tinta electrónica já tem nível elevado para leitura e com baterias para mais de 10 dias...) mas sim nos serviços (empréstimos, vários formatos de documentos, etc).
        A questão estará sempre no que pretende a pessoa que vai ler e nos documentos disponíveis.
        Para mim o ideal será um leitor de ebook que seja como o Nook (fisicamente e em formatos de documentos) e tenha visualização de documentos a cores. E nem preciso que leia outros documentos multimédia! Simples e eficiente é o que se pretende, e por isso vou esperar!
        É a vantagem de estarmos em Portugal... no Natal de 2011 ou 2012 vai ser muito mais interessante escolher!

        E o computador?


        Para quem usa o computador para ler e-books... a melhor aposta é o gestor e leitor gratuito:

        Para colocar na agenda: 
         7 a 13 de Março 2010 - Read an e-book week