Avançar para o conteúdo principal

Emprestar ebooks: complicar o que era simples

«O empréstimo de livros físicos pelas bibliotecas era uma arte simples e um serviço com que os utilizadores podiam contar.

O empréstimo de livros em bibliotecas públicas costumava ser uma actividade simples: Comprar, catalogar, divulgar, emprestar e manter os livros em bom estado de conservação. Mas isso tudo está a mudar com a crescente popularidade dos livros electrónicos.

As bibliotecas tentam prestar o mesmo serviço para ebooks tal como faziam para as cópias impressas mas deparam, frustradas, com uma série de regras dos editores que ditam que livros estarão disponíveis em formato electrónico, quanto tempo as bibliotecas podem deter os direitos digitais dos títulos e as restrições de empréstimo aplicáveis​​.

Isto é confuso para os leitores que assumem terem as bibliotecas o mesmo controle sobre ebooks como sobre as cópias impressas, e é também frustrante para os bibliotecários.

Alguns editores, incluindo as duas grandes casas Simon & Schuster e Macmillan, não permitem sequer que qualquer dos seus títulos electrónicos esteja disponível em bibliotecas, dizendo que ainda não encontraram um modelo de negócio que faça sentido financeiro para elas e seus autores. A Harper Collins, por sua vez, fixou um limite de 26 vezes como o total de vezes que os seus ebooks podem ser emprestado, após o qual a a biblioteca terá de adquirir uma nova licença ou desistir do título.

Christina de Castell, Gestora de informação online da Biblioteca Pública de Vancouver, afirma que as editoras precisam entender os utilizadores de bibliotecas como sendo também aqueles que compram livros. "Eles são parte de uma comunidade de amantes de livros, e eu acho que é fácil para as editoras esquecerem-se disso. Vendendo para as bibliotecas não significa perder vendas. Significa promover os seus autores a um grupo de pessoas que amam os livros. Além disso a disponibilidade de ebooks em bibliotecas reduziria a pirataria."

"O uso de ebooks na Biblioteca Pública de Vancouver tem aumentado exponencialmente nos últimos meses", refere a bibliotecária principal Sandra Singh numa entrevista recente.
Enquanto os bibliotecários partilham o entusiasmo do ebook, sabem que há questões importante ainda por ser resolvidas antes que as bibliotecas possam responder cabalmente às necessidades dos clientes.»

Comentários

Majó disse…
Mesmo a propósito, foi um assunto bastante conversado numa breve conferência que pude assistir na semana passada na Embaixada dos EUA, o empréstimo de e-books pelas bibliotecas.

As editoras de e-books estão a levantar tantas condições que quanto a mim é uma franca tentativa de monopolizar o mercado e obrigar as pessoas a comprarem a publicação se a quiserem ler, em vez de a poderem solicitar por empréstimo numa biblioteca! Quando o novo formato, pode perfeitamente enquadrar-se nas mesmas condições de acesso que o suporte papel!

Compreendo até que as bibliotecas possam ter de pagar um valor simbólico à editora, para além do valor da aquisição, por empréstimo da publicação, com respeito a direitos autorais e dos custos inerentes aos encargos de produtos tecnológicos, mas um valor mesmo simbólico que possa ser suportável pelas bibliotecas que já laboram com diariamente com orçamentos precários!
Nelson Cruz disse…
Parece-me q isto fará parte do medo do digital e desta nova ideologia em como quem não paga para ler/ver/ouvir é um pirata e um ladrão.

Os editores já quando as bibliotecas públicas foram inventadas, em inglaterra creio, se queixaram que seria o fim do seu negócio. Agora com os ebooks voltaram esses medos. Só que desta vez, as medidas técnicas de protecção, permite-lhes controlar tudo. A não ser que os estados se imponham, esta coisa vai arrastar-se.
Sergio Carvalho disse…
Meu caros e diletos leitores digitais... Não vos preocupeis com o desespero das editoras ante o inevitável... Logo teremos uma enxurrada de livros digitais de todos os tipos e sabores livremente disponíveis na internet, aliás isso já está se tornando realidade. Basta saber procurar. O que já aconteceu com a música e o cinema está acontecendo com a literatura (leia-se livros eletrônicos). Ninguém poderá segurar essa revolução. Façam bom proveito! Viva a liberdade!

Mensagens populares deste blogue

Tabela CDU disponível online

A tabela CDU está disponível online e em português.
Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou me…

Se conduzir... não leia!

Se conduzir não leia... mesmo que seja James Patterson!

O condutor de 53 anos dá uma desculpa, de arrepiar, sobre a sua condução errática: estava a ler o último thriller de James Patterson.
Foi multado por não conduzir com o devido cuidado (EUA, Minnesota).

Se conduzir não leia!


YouTube - https://youtu.be/THSDhl07Vt0

Saiba mais sobre James Patterson.

Original em TODAY.com (22/01/2016) - Distracted driver's excuse to cop: I was reading James Patterson

Elsa Conde e Teresa Calçada no PNL2017

A implementação e monitorização do Plano Nacional de Leitura até 2027 ficará sob responsabilidade de uma comissão que inclui os Ministérios da Educação, Cultura e Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.
A comissão interministerial a ser presidida por Teresa Calçada e Elsa Maria Conde estará dependente do Ministério da Educação, em articulação com as tutelas da Cultura e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Objetivo: "Fazer uma aposta abrangente na leitura, seja a literária, científica, em papel ou noutros suportes" (Teresa Calçada).

O PNL quer agora “levar a leitura a outras esferas da sociedade”, mostrando que esta “não é apenas património de alguns” e promovendo hábitos de leitura ao longo da vida: junto de famílias, crianças, jovens e adultos. E, sem descurar o papel das bibliotecas escolares, pretende-se criar condições para a promover nas instituições de ensino superior e da rede de centros de Ciência Viva.

“Em todos os locais onde seja possível dizer 'ler é bom…