Escola Digital - Açores

O Diário dos Açores de 15 Novembro noticia o Projecto “Corvo Digital” que vai transformar a ilha do Corvo:

«(...) vai colocar a mais pequena ilha dos Açores, onde residem cerca de 420 habitantes, na dianteira, a nível nacional, no que respeita às condições de conectividade à Internet por banda larga, utilizando tecnologia sem fios. O centro deste projecto, da responsabilidade da Direcção Regional da Ciência e Tecnologia, será a Escola Básica Integrada Mouzinho da Silveira, a cujos alunos e docentes foram hoje distribuídos, a título de empréstimo, 35 computadores portáteis, de um conjunto de 50 unidades, à guarda da biblioteca da escola.Álamo Meneses explicou que este sistema não se destina apenas a ser implementado nos espaços fechados da escola, mas, também, em zonas abertas, em praticamente toda a vila, envolvendo alunos, professores e a população em geral.Graças a este projecto, continuou o governante, a Escola Básica Integrada Mouzinho da Silveira passará a ser uma escola de referência, não só a nível nacional mas também internacional, e terá também, a partir de agora, a maior biblioteca escolar dos Açores.»

Parabéns a quem projectou. É de projectos assim que o país necessita: inovação, ousadia, desenvolvimento, tecnologia, cultura (a ordem é irrelevante!). Reparem em algumas ideias fortes do projecto: biblioteca escolar, acesso sem fios, envolvimento da população, portáteis, transformação da comunidade envolvente.
Bom trabalho a quem vai implementar, tendo já visível consciência da projecção nacional e internacional do projecto. Estaremos todos atentos aos desenvolvimentos e a "torcer" pelo sucesso. Um projecto só é bom quando serve / marca as pessoas a quem se dirige e também se possa replicar em situações e contextos diferentes.

Impossível de chegar a todos? claro! Mas o automóvel é igualmente um recurso que poucos podem ter e não foi por isso que não se construiram estradas! Na educação há que deixar de ser miserabilista e nivelador por baixo. As nossas escolas não podem ser armazéns das 8 às 18.